CR Motocross PentaControl, Valpaços: Novas vitórias de Daniel Pinto e Guilherme Esteves

By on 12 Setembro, 2022
CR Motocross PentaControl, Valpaços: Novas vitórias de Daniel Pinto e Guilherme Esteves thumbnail

Dois meses foi o tempo que os pilotos participantes ao Campeonato Regional PentaControl Mx tiveram de aguardar para terem a oportunidade de regressar ao ativo para aquela que foi a quarta ronda do ano. Cumprindo a tradição só interrompida com o Covid-19 a caravana rumou até à localidade de Valpaços para ter mais uma corrida de Mx inserida nas festividades locais, um domingo repleto de muita emoção e incerteza até ao final que deliciou o muito público que esteve a assistir na Pista do Cabeço.

Elite/Pró

A manhã de domingo foi reservada para todas as sessões de treinos de modo aos pilotos conhecerem o estado do circuito e para procurarem os melhores registos que ditavam a ordem de entrada para a grelha de partida das corridas da tarde.

À semelhança do que aconteceu nas rondas anteriores Daniel Pinto voltou a mostrar-se rápido e rubricou o melhor tempo aos 1.600 metros de extensão do traçado transmontano, deixando a mais de dois segundos e meio o seu aluno Francisco Salgado. A completar os lugares do pódio terminaria outro dos animadores do ano, José Iglésias, ele que não se apresentava nas melhores condições físicas por estar a recuperar de uma lesão sofrida na última ronda do Nacional Sx. A encerrar o top 5, distanciados dos três primeiros, mas muito próximos entre si, ficariam Paulo Lopes e Rui Magalhães.         

Assim que a grelha de partida para a primeira manga baixou os dois pilotos mais rápidos da manhã tomaram contas das operações. Daniel Pinto liderava todo o pelotão sendo seguido por Francisco Salgado começando desde logo a distanciar-se de todos os perseguidores onde incluído vinha José Iglésias, muito atrasado na primeira volta ao circuito. Durante a primeira metade da corrida Salgado ainda andou muito próximo do piloto da KTM, mas no final foi notória a supremacia de Pinto que levava nova vitória para sua casa deixando Salgado com o segundo posto. Por sua vez Iglésias tinha de se aplicar ao máximo para subir na tabela e somente na terceira volta é que conseguia subir a terceiro de onde não mais seria retirado até ao final. A luta pelas posições seguintes também esteve bastante animada com Firmino Salazar e Luís Rodrigues a rodarem muito próximos e prontos a aproveitarem qualquer deslize do oponente, mas acabaria por ser o piloto da Husqvarna a levar a melhor com o quarto lugar deixando o único membro do clã Rodrigues presente no quinto posto.

A segunda manga do dia teria um início semelhante à anterior com Daniel Pinto e Francisco Salgado a adiantarem-se ao pelotão, mas deixa feita um empenhado José Iglésias vinha junto e conseguia mesmo subir a segundo ainda na primeira volta. A ordem destes pilotos não se alterou durante metade da prova com os três a andarem sempre juntos entre si, mas nessa altura as forças de Iglésias começaram a falhar e Pinto aproveitou para ir ganhando algum espaço sobre os perseguidores, algo a que Salgado não se conformou pois passou ao ataque subindo a segundo e mantendo sempre o líder na mira. Apesar de todos os esforços a classificação acabaria por não se alterar até ao final e Pinto conseguia mesmo levar de vencida novamente sobre o seu pupilo, tendo nuestro hermano Iglésias que se contentar com o último lugar do pódio. Pelos lugares seguintes a indefinição foi a palavra de ordem pois Firmino Salazar terminou no quarto posto que ocupou desde a segunda volta, mas nunca de forma descansada pois Rúben Neves, autor de um excelente arranque, não baixou os braços após ser ultrapassado pelo piloto da Husqvarna e manteve o seu adversário alerta durante todo o tempo de prova.

        Em termos de contas finais foi sem surpresa os pilotos que ocuparam os primeiros lugares pois foi quase sempre uma repetição do verificado em cada manga de corrida, cabendo o lugar mais alto do pódio a Daniel Pinto logo seguido por Francisco Salgado, José Iglésias, Firmino Salazar e Luís Rodrigues a encerrar o top 5. Em termos de Campeonato Daniel Pinto aproveitou esta ronda para cavar um fosso de vinte e dois pontos para o segundo colocado, José Iglésias, que viu Francisco Salgado aproximar-se na tabela um pouco. Relativamente às posições seguintes tivemos uma repetição do verificado em Valpaços com Firmino Salazar a estar em quarto e Luís Rodrigues a ocupar o quinto posto.

Promoção

Após um interregno prolongado do circuito transmontano, o trabalho do Motoclube os Valpacenses foi redobrado face à condição do piso e da seca que nos assola, tarefa bem conseguida graças à intervenção constante na pista.

A partir do momento que as condições estiveram reunidas foi possível dar início às sessões de treinos e nos cronometrados, o que ditava a ordem de entrada para a grelha, Guilherme Esteves mostrava o porquê de estar na liderança do Campeonato realizando a melhor volta e deixando o segundo colocado, Artur Amorim, a quase segundo e meio. Logo atrás do piloto da KTM tínhamos também Óscar Duarte com um ritmo bastante forte para ser terceiro adiante de Pedro Pacheco e João Silva.

Depois do período normal de descanso à hora do almoço chegava o momento de dar início às tão aguardadas corridas. Autor de um excelente arranque Óscar Duarte aproveitou para se colocar no comando das operações trazendo atrás de si Luís Ferreira e Artur Amorim, estando o mais rápido da manhã, Guilherme Esteves, “entalado” no meio do pelotão a tudo fazer para tentar chegar à frente. Aos poucos parecia que Duarte iria conseguir distanciar-se dos oponentes e ter uma vitória tranquila, mas Esteves foi subindo e, assim que chegou a segundo na terceira volta, começou a querer encurtar distâncias. À medida que o tempo foi passando e as dobragens começaram as diferenças entre os líderes foram variando constantemente, ora diminuindo ora crescendo e, apesar de todo o esforço, o piloto da Fantic não conseguiu impedir que Duarte obtivesse a segunda vitória do ano, aliás o único piloto até ao momento a conseguir bater Esteves (por 2 vezes). Também bastante próximo nas voltas inaugurais andou Artur Amorim em mais uma prestação muito consistente, ganhando avanço sobre Luís Ferreira que, depois de ser dos mais rápidos no arranque, não conseguiu acompanhar o ritmo dos primeiros e ainda viu Pedro Pacheco vir do meio do pelotão e ultrapassar para ser o quarto colocado e o piloto da Husqvarna quinto. 

O início da segunda teve intervenientes diferentes no que toca à liderança inicial já que foi Pedro Pacheco o mais rápido durante os primeiros metros sendo seguido por um surpreendente Hélder Costa e pelo gamer Ricardo “Fox” Pacheco. Bem diferente foi o começo dos principais intervenientes da primeira manga, Óscar Duarte e Guilherme Esteves, que rodavam a meio do pelotão e com muito por fazer na primeira volta. Os primeiros dois postos foram-se mantendo inalterados apesar da luta intensa que se ia vivendo até que, sensivelmente a meio da prova, Pacheco começava a quebrar deixando Costa passar para a frente e tendo de se precaver da aproximação fulgurante de Duarte e Esteves, que volta após volta e quase sempre em conjunto, foram subindo na tabela. Após subir a primeiro Costa conseguiu ganhar alguns segundos, mas o duo Duarte/Esteves não estava pelos ajustes e depois de passarem por Pacheco na volta seguinte ao líder, partiram em busca da vitória. Quem melhor se saiu desta guerra particular foi Esteves pois assim que ambos se encostaram a Costa atacou Duarte para subir a segundo e uma volta depois, a quatro do final, subir ao comando que tão bem conhece e de onde não mais foi desalojado. Duarte também não lhe quis ficar atrás e na volta seguinte subiu ao segundo posto, mas não conseguiu acompanhar o piloto da Fantic tendo de se contentar com o lugar intermédio do pódio. Mesmo não conseguindo aguentar os ataques dos primeiros o terceiro posto pertenceu a Hélder Costa, de longe o melhor do ano até ao momento, relegando Pedro Pacheco e o bastante regular ao longo da manga Luís Ferreira para o encerramento do top 5.

        Concluídas as duas mangas era o momento de fazer a contabilização final. Apesar de empatados no topo da classificação Guilherme Esteves obteve mais uma vitória adiante de Óscar Duarte, cabendo a Pedro Pacheco o concluir os lugares do pódio com o terceiro posto. Muito próximo do piloto da KTM ficou Artur Amorim ao ser o quarto classificado, sorrindo o quinto para Luís Ferreira. Em termos de Campeonato Guilherme Esteves mantém a liderança e a diferença para o segundo colocado, Óscar Duarte, em 36 pontos e 50 para o terceiro colocado, Pedro Pacheco. Contudo estes lugares estão longe de estar definidos já que em quarto, apenas três pontos depois temos Artur Amorim ficando Tiago Peixoto com o quinto lugar neste momento.


PitBikes

Como é habitual, e após as sessões de verificações técnicas, chega o momento de todos os pilotos começarem a tomar conhecimento do traçado em que competem através das sessões de treinos.

Naquela que tem mais peso em cada evento, os cronometrados que ditam a ordem de entrada para a grelha de partida, Márcio Ferreira começou a mostrar ao que vinha e o porquê de ser líder rubricando a melhor volta com uma distância considerável sobre o segundo colocado, Dinis Teixeira.

Nos postos seguintes e completando o top 5 ficariam Hugo Pereira, Diogo Barbosa e Duarte Fernandes.

Retemperadas as forças durante a hora do almoço chegava o momento de dar início às duas mangas de corrida da tarde. Assim que baixou a grelha para a primeira Márcio Ferreira colocou-se na dianteira do pelotão trazendo atrás de si Carlos Silva, piloto que de manhã tinha sofrido problemas mecânicos, mas que aqui procurava se redimir e lutar pela vitória. Contudo na segunda volta já era o seu colega de equipa, Dinis Teixeira, que surgia em segundo e movia a perseguição ao líder da prova embora nunca tenha conseguido alcançar o mesmo. Dessa forma Ferreira conseguiu amealhar nova vitória para o seu palmarés adiante de Teixeira e Silva teria assim de se contentar com o último lugar do pódio. Pelos postos seguintes Hugo Pereira andou relativamente à vontade para ser o quarto colocado adiante de Pedro Marques que só a duas voltas do fim conseguiu chegar a quinto. Em termos de classes a ordem indicada foi a mesma das 190cc, Duarte Fernandes levou a melhor sobre Fábio Martins e Leandro Rodrigues nas 140cc, Alexandre Ferreira venceu a Promoção face a Simão Silva e Bernardo Sousa e Marco Ferreira voltou a ser o único Veterano presente.

Com o arranque para a segunda manga os dois mais rápidos voltaram a ser Márcio Ferreira e Carlos Silva, ao passo que Dinis Teixeira se atrasava bastante na primeira volta surgindo apenas a meio do pelotão. Com o passar do tempo Márcio Ferreira foi ganhando algum avanço para os seus perseguidores obtendo uma vitória tranquila, tudo levando a crer que o segundo colocado seria Carlos Silva. Contudo o piloto da Bucci reduziu substancialmente o seu ritmo na última volta permitindo a ultrapassagem a Dinis Teixeira, piloto este que vinha a recuperar algum do tempo perdido inicialmente. Nas guerras pelo quarto e quinto posto andaram Diogo Barbosa e Hugo Pereira, mas desta feita Barbosa redimiu-se do tempo perdido na última volta da primeira manga onde perdeu várias posições e acabou aqui por ser quarto com uma pequena margem sobre Pereira. Tal como anteriormente também nesta manga esta ordem foi a mesma para a classe 190cc, Duarte Fernandes repetiu o triunfo em 140cc à frente de Fábio Martins e Leandro Rodrigues, Alexandre Ferreira voltou a ser o melhor em Promoção face a Simão Silva e Bernardo Sousa e Marco Ferreira voltou a ser o primeiro e único Veterano.

        Concluída a quarta prova do ano chegava o momento das contas finais. Em termos gerais na classe 140cc a ordem foi a mesma das mangas, Duarte Fernandes seguido por Fábio Martins e Leandro Rodrigues, nas 190cc Márcio Ferreira levou a melhor sobre Dinis Teixeira e Carlos Silva, na Promoção Alexandre Ferreira venceu face a Simão Silva e Bernardo Sousa e Marco Ferreira voltou a ocupar o lugar mais alto do pódio nos Veteranos. Em termos de Campeonato Leandro Rodrigues lidera por 28 pontos Duarte Fernandes nas 140cc com Fábio Martins a ocupar o terceiro posto, Márcio Ferreira é primeiro nas 190cc por 26 pontos sobre Dinis Teixeira com Hugo Pereira a ser terceiro, 6 pontos separam Alexandre Ferreira e Simão Silva na Promoção estando Bernardo Sousa em terceiro e Marco Ferreira permanece como único participante à classe Veteranos.

Hobby

Com o início da manhã de domingo, já concluída as verificações técnicas, chega sempre o momento de os pilotos tomarem conhecimento do traçado e realizarem as melhores voltas de modo a definir a ordem de entrada para a grelha de partida das corridas.

Na sessão cronometrada, a mais importante, ficou logo patente que muito dificilmente alguém conseguiria bater José Montero pois mais de doze segundos separavam este piloto de Diogo Parente, o segundo colocado. Atrás deste e a completar o top 5 ficavam Bruno Pereira, Vítor Novais e Rúben Martins.

Se nos treinos a supremacia de José Montero foi notória na corrida não foi diferente pois somente o segundo colocado conseguiu terminar na mesma volta do vencedor na primeira manga. Assim que se apanhou no comando, o piloto espanhol foi ganhando tempo volta após volta deixando Diogo Parente e Bruno Pereira entretidos na luta pelo segundo posto. Pereira foi quem saiu em segundo da grelha de partida, mas a sua vice-liderança também só durou 2 voltas pois Parente vinha mais rápido e passou de imediato ao ataque ultrapassando o seu oponente e abrindo uma margem confortável que o mantinha a salvo de qualquer ataque. Pereira acabou por também não ter muita preocupação pois o quarto colocado, Vítor Novais, já vinha um pouco atrasado o que o impedia de chegar mais adiante, tendo este ainda de se precaver com a aproximação de Rúben Martins que era obrigado a grande recuperação depois de ser dos últimos na primeira passagem pela meta.

A história da segunda manga não foi muito diferente relativamente aos lugares do pódio pois José Montero voltou a lançar-se para uma cavalgada solitária assim que a grelha de partida baixou, vencendo com mais de um minuto de vantagem sobre o segundo colocado que seria novamente Diogo Parente. Este piloto por sua vez também ganhou avanço sobre quem o perseguia, Bruno Pereira, tendo estes sido segundo e terceiros respetivamente desde a segunda volta quando trocaram de lugar entre si. Apesar do arranque ainda não ter sido dos melhores Rúben Martins conseguiu nesta manga recuperar mais rápido face aos adversários e na quinta volta instalou-se no quarto lugar em que viria a terminar, adiante de Vítor Novais que desta feita não conseguiu ir além da quinta marca.

        Em termos gerais a classificação foi simples de realizar pois os lugares foram similares ao verificado durante as mangas. José Montero foi consagrado como o vencedor tendo a companhia no pódio de Diogo Parente e Bruno Pereira, havendo um empate pelo quarto e quinto lugar com vantagem para Rúben Martins sobre Vítor Novais.

        O Campeonato Regional PentaControl Mx terá agora uma pequena paragem de duas semanas para no próximo dia 18 regressar às pistas, mais concretamente ao Complexo Motorizado Agostinho Cardoso “Makito” situado em Tarouca para se assistir a mais uma grande corrida e onde a afluência nesta classe costuma ser significativa. O espetáculo certamente não irá faltar pelo que não devem perder.

:.

(Texto e Fotos: Nuno Monteiro/Bikerz Press)