Andrew Short, Rally Raids: “Estou muito feliz por fazer parte da Monster Energy Yamaha”

By on 26 Março, 2020

O que é que o AMA Supercross, o AMA Pro Motocross e o Rally Dakar têm em comum? Aparentemente, são vertentes bastante distintas mas Andrew Short conhece-as todas como a palma da sua mão.

Depois de ter passado uma boa parte da sua carreira a competir em Motocross e Supercross, o piloto americano decidiu mudar o seu caminho e tomar um novo rumo. Depois e colocar um ponto final à sua participação no AMA Supercross/Motocross no final da época de 2016, em outubro do ano seguinte assinou um acordo com a equipa Rockstar Energy Husqvarna Rally para competir no campeonato do mundo.

“Sempre adorei andar nas montanhas do Colorado e o Kurt Caselli estava lá a treinar para um rally. Comecei a ver a moto dele e, do ponto de vista do motocross, olhei para a moto e disse: “Esta coisa é enorme!” A partir daí construí uma moto de motocross com navegação, porque comecei a apanhar o bichinho do rally, e depois fiquei totalmente viciado. Sem dúvida que o Kurt Caselli teve uma grande influência nisso. Ele ajudou-me muito desde o início”, relembrou o piloto.

No entanto, e apesar da paixão pelo rally, foram precisos muito trabalho e dedicação para conseguir ter sucesso numa modalidade que muito pouco tinha de semelhante com a carreira no AMA. “É uma mentalidade muito diferente do supercross. Num rally não temos apenas de nos focar na corrida e na velocidade em si, também temos que nos preocupar com a navegação e com os diferentes tipos de terreno que podemos encontrar. Por tudo isto, são necessários muitos elementos para que um piloto possa ter sucesso neste desporto”, explicou Short.

Desde sempre intrigado e dedicado à disciplina conhecida como sendo a maratona do desporto motorizado, Andrew Short deu recentemente outro grande salto na sua carreira quando assinou com a Monster Energy Yamaha Rally Team.

“Estou muito feliz por fazer parte da equipa e espero ter algum sucesso. Vamos ver. Tem sido muito bom. Estou muito entusiasmado por fazer parte do programa com a Yamaha e a Monster Energy, porque é uma equipa oficial e fazer parte disto é fantástico. É uma grande mudança para mim e algo com que estou muito muito ansioso por fazer. No entanto, as coisas mudaram rapidamente nos últimos tempos devido ao coronavirus. Foi possível ver o medo na cara de todos enquanto viajava pelos aeroportos. Os meus destinos mudavam diariamente, por isso foi muito difícil chegar a casa. Situações como esta fazem-nos perceber como as corridas têm uma importância tão pequena comparando com aquilo que se está a passar. Todos nós temos uma grande paixão pelo desporto e queremos estar lá fora a correr, mas neste momento isso não é possível”.

Como é sabido, o surto de coronavírus que assola o mundo inteiro não obriga apenas os atletas a ficar em casa e Andrew Short relembra que existem outras consequências. “Do ponto de vista das motos, muitas das peças são feitas na Ásia e muita da tecnologia está espalhada pelo mundo. Com isto, acho aquilo que se está a passar vai afetar as corridas tal como vai afetar toda a gente na sua vida quotidiana”.

Outro dos problemas que também advém da situação atual é o adiamento das competições e com ela os sonhos e ambições dos pilotos. “Parece que, com certeza, Abril e Maio não parecem promissores. Acabei de ver onde e quando é que o MXGP vai ter início e parece que eles esperam estar de volta em junho. Acho que a Fórmula 1 também tem uma agenda similar na qual eles estão ainda a trabalhar. Essa é a minha perspectiva neste momento para o rally. Honestamente, é algo que funciona bem para nós porque a intensidade começará no verão e terminará bem antes do Dakar. Tudo isto deu-me a oportunidade de me habituar à moto. Para as corridas de rally, não foi um bom timing, mas acho que vai correr tudo bem para nós no future”, diz Andrew Short que mantém a esperança na retoma à normalidade o mais rapidamente possível.

Apesar de ter acabado de chegar à nova equipa, o antigo campeão do Motocross das Nações tem um grande objetivo em mente: vencer o Rally Dakar em 2021. O piloto de 37 anos vai partir para esta temporada focado nos sucessos que pode alcançar com a equipa que, segundo o mesmo, tem trabalhado muito durante esta paragem forçada pelo surto de Covid-19.

“Para mim, estar perto de pessoas que têm uma grande paixão pelo rally e ter um patrocinador como a Monster Energy significa muito para mim. A Yamaha está a trabalhar muito e eles têm feito muito com a moto ultimamente. Com toda a situação do coronavirus tive a oportunidade de estar envolvido no programa deles e perceber como as coisas funcionam”, explicou Andrew Short.

_

Foto: Yamaha Racing

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!