Jed Beaton, MXGP: “Quando era criança, não tínhamos eletricidade em casa”

By on 11 Abril, 2020

Jed Beaton tem estado no paddock do Campeonato do Mundo de Motocross nos últimos quatro anos e, apesar de não ter tido os melhores resultados em EMX250, já teve oportunidade de mostrar o seu potencial na classe MX2. No entanto, explica que o sucesso não chegou sem alguns sacrifícios e muito trabalho.

Beaton cresceu na Tasmânia e não teve as mesmas facilidades que muitas outras pessoas tomam por garantidas. Apesar das suas origens bastante humildes, o piloto explica que com esforço e dedicação conseguiu chegar onde está hoje.

“Foi um longo caminho até chegar onde estou agora e tem sido surreal. Cresci na Tasmânia, um lugar que muitas pessoas nem sequer conhecem, e estou muito grato por isso. Não tinha eletricidade em casa, tínhamos apenas um gerador que o meu pai costumava ligar às 18:30-19:00 todas as noites, não tínhamos autoclismo e tínhamos de aquecer a nossa água passando-a por um cano que ia por detrás do nosso forno que só acendia com lenha. Era muito esforço apenas para aquecer água para um duche, mas o meu pai fazia sempre isso por nós. Este estilo de vida ensinou-me muito e tenho a certeza que se eu não tivesse crescido assim, durante os tempos difíceis que tive na Europa nos primeiros anos teria feito as malas e ido para casa, mas continuei a perseguir os meus sonhos”, explicou Jed Beaton.

O caminho até ao sucesso não lhe foi, de forma alguma, facilitado mas Beaton admite que todo o seu trabalho está a ser recompensado. “Todo o esforço valeu a pena porque agora estou numa das melhores equipas do paddock de MX2. Posso dizer, com certeza, que ninguém me deu nada de bandeja, trabalhei muito e sacrifiquei muito para chegar a esta posição e vou continuar a esforçar-me ao máximo até conseguir aquilo com que sempre sonhei”.

As duas primeiras rondas do Campeonato do Mundo de MX2 correram muito bem para Beaton, que ocupa o terceiro lugar na classificação do campeonato do mundo. Apesar de ainda não ter conseguido subir ao pódio, ele tem sido consistente e já mostrou que poderá ter uma palavra a dizer nesta temporada, assim que esta possa ser retomada.

“O ano de 2020 começou muito bem para mim, com quatro mangas muito consistentes, apesar de em duas delas ter cometido erros parvos que também me custaram um pouco, mas no geral estou contente com a forma como começou. O plano era eliminar esses erros e apontar para um melhor lugar na geral, mas isso acabou por ter de ficar em espera devido ao surto do vírus. Tive um inverno muito bom e treinei bastante, por isso, ao entrar neste ano senti o mesmo que em 2018: sabia que estava preparado e que ia dar o meu melhor para conseguir um bom resultado para a minha equipa”, acrescentou Beaton que poderá ter, em 2021, uma grande oportunidade para tentar conquistar o título.

_

Foto: Jed Beaton Instagram/shotbybavo

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!